Rotina de Vendas

Desenvolvendo a resiliência saudável de um bom vendedor

Torna-se cada vez mais evidente o fato de que as doenças mais nocivas à humanidade estão intimamente ligadas às questões psicológicas. Depressão, por exemplo, é considerada a doença do século. Segundo a OMS, mais de 18,6 milhões de pessoas no Brasil sofrem com o transtorno da ansiedade, um número que só cresce a cada dia. Essas doenças estão relacionadas com o cotidiano das pessoas, muitas acabam perdendo pouco a pouco partes importantes de sua vida para os transtornos psicológicos. Uma dessas partes é o trabalho. Doenças ligadas ao psicológico humano já afastaram mais de 75,3 mil pessoas de suas ocupações no Brasil – segundo o INSS – além de mais de outras 97 mil que foram aposentados por invalidez pelas mesmas razões.    

A origem de tais doenças ainda é muito complexa, mas os profissionais da área da saúde psicológica, em geral, concordam que há razões internas e externas. Já que as razões internas são muito particulares e difíceis de mensurar, neste artigo iremos nos atentar às externas. O ambiente de trabalho é carregado de stress. Existem diversas situações que podem ser promotoras de stress: prazo para cumprir determinada atividade imposta pelo superior, ser repreendido por uma tarefa executada, ou até mesmo a possibilidade de demissão. Cada uma dessas situações – e muitas outras – que o trabalhador é colocado pode, de alguma forma, desestabilizar seu psicológico, afetando sua vida pessoal, suas relações e até seu bom desempenho em realizar sua ocupação.

O setor de vendas é um que tem uma carga de stress altíssima. É um setor que cobra muito de seu colaborador, através de metas e prazos. O colaborador precisa bater as metas do mês, em alguns casos para ter seu salário, pois algumas empresas não trabalham com fixo. Além disso, as relações com os colegas de trabalho, clientes e superiores podem, nem sempre, ser pacíficas e fáceis, o que pode se tornar mais um ponto de desestabilidade emocional. O colaborador é colocado sob uma carga tão alta de cobranças e prazos a cumprir que manter seu equilíbrio emocional parece um objetivo inalcançável.

Por isso, é importantíssimo que um bom vendedor – ou qualquer outro profissional – desenvolva uma habilidade difícil, mas, alcançável. Essa habilidade é chamada de resiliência. Resiliência é a capacidade que um indivíduo tem de superar, com relativo sucesso, condições adversas ou situações que envolvem risco ao seu bem-estar, desenvolvimento e saúde mental. Para construir uma boa resiliência alguns cuidados são extremamente importantes, que, neste post, serão tratados em cinco pontos: inteligência emocional, energia, relações, perspectiva e prioridades.

 

  • Inteligência emocional: está intimamente ligada à auto-conhecimento. Conhecer-se, saber o que está se passando em sua mente, entender os sinais que seu corpo está te dando, são coisas importantes para ser emocionalmente inteligente. Assim, você conseguirá estar sensível aos seus sentimentos, poderá nomeá-los e tomar uma atitude, nem que ela seja parar um pouco e respirar.
  • Energia: ter uma vida corporal ativa e saudável é importantíssimo, praticar exercícios, comer de forma saudável. Tudo que fazemos com nosso corpo reflete diretamente em nosso equilíbrio emocional. Mesmo assim, saber a hora de parar, descansar também é muito bom. Parar de beber café depois do meio da tarde, fazer ginástica laboral, entre outros recursos. Poupar energia é conseguí-la.
  • Relações: solidão pode ser emocionalmente prejudicial em algumas situações, por isso, é muito importante desenvolver uma rede de relacionamentos de apoio, como amigos e família. Entretanto, saber escolher bem seus amigos é de extrema importância. É importante estar com pessoas confidentes, confiáveis, que desenvolvam relações nutritivas e recíprocas.
  • Perspectiva: às vezes um problema parece ter a capacidade de estragar todo o resto das coisas que estão sendo realizadas. Atrapalha o desenvolvimento pessoal do colaborador, do time e da empresa. Por isso, é muito importante ter perspectiva e olhar além daquele obstáculo momentâneo. Dessa forma, é possível tomar as rédeas da situação para que, a situação não tome as rédeas sobre você.
  • Prioridades: ter claro o que é mais importante naquele momento e o que não é, pode ajudar a desenvolver uma forte resiliência. Ter clareza dos objetivos pessoais e profissionais é saber que, às vezes, deixar algo para depois não é negativo. Coisas mais importantes e mais urgentes devem ocupar sua dedicação total. Se sua preocupação estiver em coisas que não são tão importantes agora, ou que não vão acontecer agora, ou que não dependem de você, nada será feito com excelência, nem a prioridade e nem o adiável.

 

Desenvolver resiliência fará bem para a vida pessoal do colaborador, para vida do time e para a vida da empresa. Por isso, as empresas precisam investir em práticas que desenvolvam a resiliência de seus colaboradores. A produtividade aumenta, as vendas, a saúde mental e as relações inter-colaboradores melhoram e os números de licenças, atestados, demissões, auxílios e indenizações diminuem.

Esses cinco aspectos apresentados não têm um grau de importância individual, todos são importantes e essenciais para uma resiliência saudável. É claro que, nem sempre será possível exercer todos simultaneamente, mas está tudo bem, aos poucos sua resiliência vai ganhando maturidade e, quando você notar, esses aspectos estarão internalizados e sendo vivenciados de forma natural. Um passo pequeno de cada vez.

Marcadores:

Deixe seu comentário